5 Julho, 2022

Phenomania

O que é real?

Os Skinwalkers dos Navajo – Bruxas do Sudoeste

9 min read

Foto de dançarinos Navajo Yebichai. Por Edward S. Curtis | Welcome Collection | Public Domain

Na cultura Navajo, um skinwalker é um tipo de bruxa nociva que tem a capacidade de se transformar, possuir ou se disfarçar de animal.

Essa bruxa é chamada de “yee naaldlooshii” pelos navajos, que se traduz em “com ela, ele anda de quatro”. É apenas um dos vários tipos de bruxas Navajo e é considerado o mais volátil e perigoso.

Skinwalker, uma bruxa Navajo

Para o povo Navajo, a feitiçaria é apenas mais uma parte da sua espiritualidade e um dos “caminhos” das suas vidas. Como tal, a bruxaria faz parte da sua cultura, história e tradições. As bruxas existem ao lado dos humanos e não são sobrenaturais.

Os Navajo acreditam que há lugares onde os poderes do bem e do mal estão presentes e que esses poderes podem ser aproveitados por ambos. Os curandeiros utilizam esses poderes para curar e ajudar os membros das suas comunidades, enquanto aqueles que praticam feitiçaria Navajo procuram direcionar as forças espirituais para causar danos ou infortúnios a outros. Este tipo de feitiçaria Navajo é conhecido como o “Witchery Way”, que usa cadáveres humanos de várias maneiras, como ferramentas dos ossos e misturas que são usadas para amaldiçoar, ferir ou matar as vítimas pretendidas.

O conhecimento desses poderes é transmitido pelos mais velhos através das gerações.

Os Navajo fazem parte de uma área de cultura maior que também inclui o povo Pueblo, Apache, Hopi, Ute e outros grupos que também têm suas próprias versões do Skinwalker, mas cada um inclui uma bruxa malévola capaz de se transformar num animal.

Entre essas tribos, várias histórias e descrições foram contadas ao longo dos anos sobre os Skinwalkers.

Hastobiga, curandeiro navajo, por Edward S. Curtis, 1904

Às vezes, essas bruxas evoluíram de viver as suas vidas como curadores respeitados ou guias espirituais, e que mais tarde optaram por usar os seus poderes para o mal. Embora possam ser do sexo masculino ou feminino, são mais frequentemente do sexo masculino. Eles andam livremente entre a tribo durante o dia e transformam-se secretamente sob o manto da noite.

Para se tornar um Skinwalker, ele ou ela deve ser iniciado por uma sociedade secreta que exige a pior das ações – a morte de um membro próximo da família, na maioria das vezes um irmão. Depois de essa tarefa estar concluída, o indivíduo adquire poderes sobrenaturais, o que lhes dá a capacidade de se transformarem em animais. Na maioria das vezes, eles são vistos na forma de coiotes, lobos, raposas, pumas, cães e ursos, mas podem assumir a forma de qualquer animal. Eles então vestem as peles dos animais em que se transformam, daí o nome Skinwalker. Às vezes, eles também usavam crânios de animais ou chifres no topo das suas cabeças, o que lhes dava mais poder. Eles escolhem em que animal se querem transformar, dependendo das habilidades necessárias para uma tarefa específica, como velocidade, força, resistência, furtividade, garras e dentes, etc. Eles podem-se transformar novamente se estiverem a tentar escapar de perseguidores.

Por causa disso, os navajos consideram tabu que seus membros usem a pele de qualquer animal predador. No entanto, pele de carneiro, couro e camurça são aceitáveis.

Transformação Skinwalker

Os skinwalkers também são capazes de tomar posse dos corpos das vítimas humanas se uma pessoa fixar os olhos com eles. Depois de assumir o controle, a bruxa pode obrigar as suas vítimas fazerem e dizerem coisas que elas não fariam de outra forma.

Uma vez que eles mudaram de forma, uma forma de poderem verificar que eles não eram um animal real é que os seus olhos são muito diferentes dos de um animal. Em vez disso, os seus olhos são muito humanos e, quando as luzes refletem neles, eles ficam vermelhos brilhantes. Alternativamente, quando estão em forma humana, seus olhos parecem de animais.

A sociedade maligna das bruxas reúne-se em cavernas escuras ou lugares isolados para vários propósitos – iniciar novos membros, planear as suas atividades, prejudicar pessoas à distância com magia negra e realizar ritos cerimoniais sombrios. Essas cerimónias são semelhantes a outros assuntos tribais, incluindo danças, festas, rituais e pinturas na areia, mas foram “corrompidas” com conotações sombrias. Diz-se também que os malfeitores se envolvem em necrofilia com cadáveres femininos, cometem canibalismo, incesto e roubos de túmulos. Durante essas reuniões, os Skinwalkers se transformam nas suas formas animais ou andam nus, usando apenas joias com contas e tinta cerimonial. O líder dos Skinwalkers geralmente é um homem velho, que é um Skinwalker muito poderoso e longevo.

Os Skinwalkers também têm outros poderes, que incluem ler a mente dos outros, controlar os seus pensamentos e comportamentos , causar doenças e enfermidades, destruir propriedades e até mesmo causar a morte.

Aqueles que falaram dos seus encontros com esses seres malignos descrevem várias maneiras de saber se um skinwalker está próximo. Eles fazem sons ao redor das casas, como bater nas janelas, bater nas paredes e raspar no telhado. Em algumas ocasiões, eles foram espiados pelas janelas. Mais frequentemente, eles aparecem na frente de veículos na esperança de causar um acidente grave.

Diz-se que, além de poder mudar de forma, o Skinwalker também é capaz de controlar as criaturas da noite, como lobos e corujas, e fazê-los cumprir suas ordens. Alguns são capazes de invocar os espíritos dos mortos e reanimar os cadáveres para atacar os seus inimigos. Por isso, os índios raramente se aventuravam sozinhos.

Skinwalker

Os seus poderes sobrenaturais são estranhos, pois dizem que correm mais rápido do que um carro e têm a capacidade de pular penhascos altos. São extremamente rápidos, ágeis, impossíveis de apanhar e deixam rastros maiores que os de qualquer animal. Quando eles foram vistos, eles foram descritos como não totalmente humanos e não totalmente animais. Eles geralmente estão nus, mas alguns relataram ter visto a criatura vestidos com camisas esfarrapadas ou jeans.

O Skinwalker mata por ganância, raiva, inveja, rancor ou vingança. Também rouba sepulturas para riqueza pessoal e para colher ingredientes muito necessários para uso em magia negra. Essas bruxas vivem das vidas não expiradas de suas vítimas e devem continuamente se matar ou perecer.

Skinwalkers e outras bruxas há muito que são incriminados por todos os tipos de lutas e tragédias inesperadas ao longo dos anos, incluindo doenças, secas, colheitas ruins e mortes súbitas. Problemas ainda menores ou individuais, como tempestades de vento durante as danças, alienação de afeto por parceiros, morte de gado e reversão da fortuna, eram frequentemente considerados obra de uma bruxa.

Prisioneiros Navajos fazendo a “Longa Caminhada”

Isso ficou mais evidente com o Expurgo das Bruxas Navajo de 1878, que inicialmente evoluiu de uma resposta cultural a tantas pessoas mudando-se para as suas terras. Após uma série de guerras com o Exército dos EUA, os navajos foram expulsos das suas terras e forçados a marchar para o Bosque Redondo (Fort Sumner) no Novo México, no que é conhecido como a Longa Caminhada dos Navajos em 1864.

Lá, as pessoas sofriam com água ruim, colheitas fracassadas, doenças e morte, reduzindo drasticamente os seus números. Depois de quatro anos, o governo finalmente admitiu que havia cometido um erro e os navajos foram autorizados a retornar à sua terra natal na área de Four Corners.

Durante esses anos, muitos dos membros da tribo teriam se transformado em Skinwalkers para escapar às terríveis condições. Enquanto isso, o resto da tribo estava convencida de que os seus deuses os tinham abandonado.

Após as pessoas voltarem para a sua terra natal, as suas condições melhoraram, mas os temidos skinwalkers, a quem culpavam pelos anos passados na reserva sombria, ainda estavam entre eles. Começaram as acusações de feitiçaria e a caça aos skinwalkers. Quando alguém encontrou uma coleção de artefatos de bruxa embrulhados numa cópia do Tratado de 1868, os membros da tribo desencadearam consequências mortais. O “Expurgo das Bruxas Navajo” ocorreu em 1878, no qual 40 suspeitas de bruxas Navajo foram mortas para restaurar a harmonia e o equilíbrio da tribo.

Hoje, a maioria dos contos de avistamentos dessas bruxas não incluem morte ou ferimentos, mas são mais “malandros”.

Inúmeras pessoas contaram histórias de animais velozes correndo ao lado de seus veículos, equiparando a sua velocidade. No entanto, depois de um curto período, eles fogem para o deserto. Ao longo do caminho, estes animais às vezes se transformam num homem, que às vezes bate no capô.

Outra história fala de um homem que estava a fazer reparações numa antiga casa de fazenda quando começou a ouvir uma risada alta vindo dos currais próximos. Pensando que estava sozinho, ele foi investigar e encontrou todas as ovelhas, exceto uma, amontoadas num canto do curral. No entanto, havia um carneiro solitário separado do grupo que estava de pé e rindo de uma maneira muito humana. Depois do homem fixar os olhos com os do carneiro, ele vê que os seus olhos não são os de um animal, mas muito parecidos com os de um humano. O animal então afastou-se casualmente nas quatro patas.

Alguns dizem que os viram correndo durante a noite, às vezes transformando-se numa bola de fogo, deixando traços de cor atrás deles. Outros viram figuras humanóides de aparência raivosa a olhar para eles de penhascos, montanhas e planaltos.

Na década de 1980, um dos eventos mais notáveis ​​ocorreu quando uma família estava a conduzir pela Reserva Navajo. Quando diminuíram a velocidade para fazer uma curva fechada, algo saltou da valeta. Foi descrito como preto, peludo e usava camisa e calças. Poucos dias após este evento, na sua casa em Flagstaff, Arizona, a família foi acordada ao som de tambores e cânticos altos. Do lado de fora de sua casa havia três formas escuras de “homens” do lado de fora da cerca. No entanto, essas criaturas sombrias foram aparentemente incapazes de escalar a cerca e foram embora.

Esses eventos ocorreram na área dos Quatro Cantos do sudoeste do Colorado, sudeste de Utah, nordeste do Arizona e noroeste do Novo México.

Na década de 1990, um rancho no nordeste do Utah, longe da Reserva Navajo, tornou-se o foco parcial dos Skinwalkers. Chamado de Sherman Ranch, Skinwalker Ranch e UFO Ranch, este lugar tem uma história de OVNIs, alienígenas, mutilações de gado e círculos nas plantações. Localizado perto da reserva indígena Ute, essas pessoas há muito pensam que os Navajo colocaram uma maldição na sua tribo em retribuição pelas muitas transgressões cometidas e, desde então, os skinwalkers atormentam o povo Ute.

Rancho Skinwalker, Utah

A feitiçaria representa a antítese dos valores culturais Navajo e não é tolerada. Eles trabalham para evitá-lo, preveni-lo e curá-lo nos seus comportamentos diários. No entanto, quando existe, as suas leis sempre disseram que quando uma pessoa se torna uma bruxa, ela perde sua humanidade e seu direito de existir, então ela deve ser morta.

No entanto, os skinwalkers são notoriamente difíceis de matar e as tentativas geralmente são mal sucedidas. Tentar matar um muitas vezes resultará na busca de vingança por parte da bruxa. Matar com sucesso geralmente requer a ajuda de um poderoso xamã, que conhece feitiços e rituais que podem virar o mal do Skinwalker de volta para ele mesmo. Outra alternativa disparar na criatura com balas que foram mergulhadas em cinzas brancas. No entanto, este tiro deve atingir a bruxa no pescoço ou na cabeça.

Tradicionalmente, os navajos não falam com estranhos sobre essas criaturas, por medo de represálias dos skinwalkers. Aliás, é um assunto tabu entre os próprios nativos.

“Essas não são coisas que precisam ou devem ser discutidas por pessoas de fora. De forma alguma. Lamento muito se isso parece ‘injusto’, mas é assim que nossas culturas sobrevivem.” – Dra. Adrienne Keene, acadêmica, escritora e ativista nativa americana

Homens Navajo, por William J. Carpenter, 1915

Autor: ©Kathy Weiser-Alexander, updated February 2020.

Fonte

(Lida 3 vezes, 3 visitas hoje)
0
0