6 Julho, 2022

Phenomania

O que é real?

As leis de Einstein provam que os fantasmas existem?

3 min read

Albert Einstein

Todas as noites, grupos de caçadores de fantasmas amadores em todo o país dirigem-se a armazéns abandonados, edifícios antigos e cemitérios para procurar fantasmas. Eles geralmente trazem equipamentos eletrónicos que acreditam que os ajudam a localizar energia fantasmagórica.

Apesar de anos de esforços de caçadores de fantasmas na TV e na vida real, ainda não temos uma boa prova de que os fantasmas são reais. Muitos caçadores de fantasmas acreditam que um forte suporte para a existência de fantasmas pode ser encontrado na física moderna. Especificamente que, Albert Einstein, uma das maiores mentes científicas de todos os tempos, ofereceu uma base científica para a realidade dos fantasmas.

Uma pesquisa recente no Google mostrou quase 8 milhões de resultados sugerindo uma ligação entre fantasmas e o trabalho de Einstein sobre conservação de energia. Esta afirmação é repetida por muitos especialistas da área. Por exemplo, o pesquisador de fantasmas John Kachuba, no seu livro “Ghosthunters” (2007, New Page Books), escreve: “Einstein provou que toda a energia do universo é constante e que não pode ser criada nem destruída. … Então o que acontece com essa energia quando morremos? Se ela não pode ser destruída, deve então, segundo o Dr. Einstein, ser transformada numa outra forma de energia. O que será essa nova energia? … Poderíamos chamar essa nova criação de fantasma? ?”

Essa ideia aparece – e é apresentada como evidência de fantasmas – em praticamente todos os sites com temas de fantasmas também. Por exemplo, um grupo chamado Tri County Paranormal afirma: “Albert Einstein disse que a energia não pode ser criada ou destruída, ela só pode mudar de uma forma para outra. Quando estamos vivos, temos energia elétrica em nossos corpos. acontece com a eletricidade que estava no nosso corpo, fazendo nosso coração bater e tornando nossa respiração possível? Não há uma resposta fácil para isso.” [vídeos paranormais desmascarados]

Na verdade, a resposta é muito simples e nada misteriosa. Após uma pessoa morrer, a energia em seu corpo vai para onde a energia de todos os organismos vai após a morte: para o meio ambiente. Quando um humano morre, a energia armazenada no seu corpo é libertada na forma de calor e transferida para os animais que nos comem (ou seja, animais selvagens se não forem enterrados, ou vermes e bactérias se forem enterrados). e as plantas que nos absorvem. Se formos cremados, a energia dos nossos corpos é libertada na forma de calor e luz.

Quando comemos plantas e animais mortos, estamos a consumir a sua energia e a converte-la para nosso próprio uso. A comida é metabolizada quando digerida, e as reações químicas libertam a energia de que o animal precisa para viver, se mover, se reproduzir, etc. Essa energia não existe na forma de uma bola brilhante e fantasmagórica de energia eletromagnética, mas na forma de calor e energia química.

Muitos caçadores de fantasmas dizem que podem detectar os campos elétricos criados por fantasmas. E embora seja verdade que os processos metabólicos de humanos e outros organismos realmente geram correntes elétricas de nível muito baixo, elas não são mais geradas quando o organismo morre. Como a fonte de energia pára, a corrente elétrica também pára – assim como uma lâmpada se apaga quando desligamos a eletricidade que a alimenta.

A maior parte da “energia” que qualquer pessoa morta deixa para trás leva anos para reentrar no ambiente na forma de alimentos; o resto dissipa-se logo após a morte e não está numa forma que possa ser detectada anos depois com dispositivos populares de caça a fantasmas, como detectores de campo eletromagnético (EMF). Os caçadores de fantasmas que repetem a afirmação de que as teorias de Einstein fornecem uma base sólida para os fantasmas revelam menos sobre fantasmas do que sobre sua má compreensão da ciência básica. Os fantasmas podem de fato existir, mas nem Einstein nem as suas leis da física sugerem que os fantasmas sejam reais.

Autor: Benjamin Radford

Fonte

(Lida 1 vezes, 1 visitas hoje)
0
0