5 Julho, 2022

Phenomania

O que é real?

População invisível do cosmos? Formas de vida capazes de viajar pelo Universo. Por que a humanidade não se pode mudar para outro planeta?

3 min read

Recentemente, um grupo de pesquisadores da Universidade de Harvard sugeriu que nosso planeta não pertence a formas de vida biológicas. À primeira vista, essa teoria parece louca. Se olharmos ao redor, veremos em todos os lugares formas biológicas de vida – pássaros, animais, humanos, plantas – são todos orgânicos.

No entanto, um grupo de pesquisadores canadiano-americano-britânico sugeriu que o nosso corpo físico é extremamente inadequado para conquistar o espaço sideral. Na verdade, eles estão corretos. O processo de envelhecimento, várias doenças, exposição a várias “coisas” como  a temperatura, pressão, radiação – tudo isto nos destrói como pessoa. Ao ter em conta os espaços interestelares, verifica-se que uma criatura com um corpo físico deste género simplesmente não pode embarcar numa nave e viajar para o sistema estelar mais próximo.

Com base nisso, os cientistas chegaram à conclusão de que, de fato, a forma biológica de vida está fadada à extinção em escala galáctica. Vivemos em um mundo tridimensional que sugere que os seres superiores não se podem aproximar do nosso Planeta. Plasmóides, elementais, entidades elementares não são de forma alguma visões criativas de escritores de ficção científica, pelo menos de acordo com alguns pesquisadores.

A forma energética da vida pode ser muito diferente – plasma, água, mineral, etéreo e muitos, muitos outros. Pode haver formas de vida de organossilício e germânio que são mais resistentes aos efeitos de quaisquer fatores destrutivos. Mas por algum motivo não os vemos.

Por exemplo, no Sol, assim como no centro da Terra, vive uma forma de vida de plasma vulcânico ou, de forma simples, uma forma de vida ígnea que pode ser descrita como energia limpa. Segundo os pesquisadores, a vida é um -componente informativo- de energia, um plasmóide. Até que a energia a receba, é apenas o material de origem que vemos na nossa dimensão tridimensional primitiva.

Quando a energia forma uma simbiose com o plasmóide, uma forma energética de vida é obtida. Eles são seres poderosos, cada um a viver no seu próprio nível (dimensão), um dos 33 ou até 36 mundos. Uma forma de vida biológica é o mesmo. A biomassa não pode viver sem um plasmóide. Quando sai do corpo, a pessoa parece morrer. Esta é a morte física e nada mais.

Com base nessa teoria, qualquer corpo cósmico pode ser habitado, até mesmo o sol. Há muitos pesquisadores que acreditam que cada estrela tem o seu próprio mundo. Tudo o que está no espaço é uma massa de substâncias, e um plasmóide pode ser colocado em cada uma delas. Assim, pode haver praticamente um número infinito de formas de vida no Universo. Uma teoria interessante, talvez à frente do seu tempo.

Fonte

(Lida 1 vezes, 1 visitas hoje)
0
0