9 Julho, 2022

Phenomania

O que é real?

9 coisas que aprendemos sobre alienígenas em 2021.

8 min read

(Crédito: Getty)

Um relatório bombástico de OVNIs, o “lixo alienígena” no nosso sistema solar e mais novas pistas sobre vida extraterrestre.

Um “OVNI donut” nos céus da Suíça. Estranhas luzes verdes a desaparecer nas nuvens no Canadá. Uma bolha em forma de pires a mergulhar de repente no oceano.

O ano de 2021 deu aos pesquisadores da verdade e caçadores de alienígenas muitos mistérios para refletir. Mas também lhes deu respostas – desde um relatório do Pentágono muito aguardado sobre avistamentos militares de OVNIs, até novos insights sobre exoplanetas habitáveis, até a verdade sobre um chamado “sinal alienígena” da estrela vizinha mais próxima do Sol. Aqui estão 9 coisas que aprendemos sobre alienígenas (e onde procurá-los) em 2021.

1. OVNIs são reais (e o governo sabe disso)

(Crédito: Bettmann/Getty Images)

Em junho, o Pentágono divulgou um relatório muito aguardado, detalhando 144 encontros com OVNIs entre 2004 e 2021. O relatório pretendia avaliar “a ameaça representada por fenómenos aéreos não identificados (UAP)” e confirmou oficialmente vários avistamentos de OVNIs que, até então, só tinha sido compartilhado através de média viral. Por um lado, a breve avaliação de 9 páginas confirmou que “a maioria dos OVNIs relatados provavelmente representam objetos físicos”, que variam de pássaros e balões a equipamentos de vigilância estrangeiros e projetos ultra-secretos do governo dos EUA. No entanto, qualquer um que esperasse um reconhecimento de inteligência extraterrestre pode ter ficado decepcionado quando o relatório falhou em vincular qualquer um dos 144 encontros à atividade alienígena.

2. Buracos negros podem ser Refúgios alienígenas.

(Crédito:Marc Ward/Stocktrek Images/Getty)

Enquanto os caçadores de alienígenas passam muito tempo à procura de planetas habitáveis ​​além do nosso sistema solar, um estudo publicado em julho na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society alerta que os cientistas não devem ignorar os objetos mais extremos da natureza: os buracos negros. Como os buracos negros podem irradiar até 100.000 vezes mais energia do que uma estrela como o nosso sol, eles podem se tornar alvos tentadores para civilizações alienígenas que procuram alimentar seus empreendimentos interestelares, escreveram os autores do estudo. Para fazer isso, os alienígenas poderiam usar estruturas de alta tecnologia chamadas esferas de Dyson (orbs gigantes de sifão de energia propostos pela primeira vez na década de 1960) para roubar energia do disco de matéria incandescente girando em torno do horizonte de um buraco negro e irradiar essa energia para fora no espaço. Essa energia re-irradiada criaria uma assinatura de comprimento de onda distinta que os astrónomos poderiam detectar na Terra, sugeriram os autores do estudo. Os pesquisadores estão atualmente a desenvolver algoritmos para pesquisar os dados existentes do telescópio em busca dessas assinaturas reveladoras.

3. Planetas alienígenas podem não se parecer com a Terra.

(Crédiot: Amanda Smith, Nikku Madhusudhan )

Normalmente, a busca por vida alienígena começa com a busca por planetas semelhantes à Terra – mas pode haver outra classe de mundo alienígena que seja igualmente propícia à vida, afirma um estudo publicado no Astrophysical Journal em agosto. Os planetas “híceos”, que são até cerca de 2,5 vezes maiores que a Terra e possuem enormes oceanos de água líquida sob atmosferas ricas em hidrogénio, podem ser o local ideal para a vida microbiana semelhante aos “extremófilos” que prosperam em alguns dos ambientes mais hostis da Terra. como fontes hidrotermais), disseram os autores do estudo. Esses planetas não só são abundantes na Via Láctea, como também são incrivelmente diversos, alguns orbitando muito perto da sua estrela hospedeira, outros orbitando longe. Ambos poderiam potencialmente hospedar vida minúscula sob as suas ondas, escreveram os autores, o que significa que pode haver uma nova avenida de exploração para caçadores de planetas alienígenas.

4. Uma das luas de Saturno ainda tem potencial para vida.

(Crédito: NASA/JPL-Caltech)

O metano que flutua de Enceladus, a sexta maior lua de Saturno, pode ser um sinal de que a vida fervilha no mar subterrâneo da lua, segundo um estudo de junho. Em 2005, a sonda Cassini Orbital da NASA descobriu géiseres a expelir partículas de gelo de água para o espaço a partir de fraturas da “faixa de tigre” perto do pólo sul de Enceladus. Acredita-se que esse material venha de um enorme oceano de água líquida sob a concha gelada da lua – mas não foi apenas água que o orbitador encontrou; numerosos outros compostos, incluindo di-hidrogênio (H2) e uma variedade de compostos orgânicos contendo carbono, incluindo metano (CH4), também apareceram nos géiseres.

No novo estudo, os pesquisadores executaram uma série de modelos para determinar se esses compostos poderiam ser evidências de micróbios que “comem” di-hidrogênio e produzem metano como resíduo. A equipa descobriu que micróbios que libertam metano podem realmente estar a contribuir para os géiseres gasosos do planeta – o que significa que a vida não pode ser descartada na lua gelada.

5. Os cientistas podem estar a ignorar “lixo alienígena” no nosso próprio sistema solar.

(Crédito: VICTOR HABBICK VISIONS/SCIENCE PHOTO LIBRARY via Getty Images)

De acordo com o recente livro do astrofísico de Harvard Avi Loeb “Extraterrestrial: The First Sign of Intelligent Life Beyond Earth” (publicado em janeiro pela Mariner Books), o estranho objeto em forma de charuto ‘Oumuamua – que passou pelo nosso sistema solar em 2017 – é quase de certeza um pedaço de tecnologia alienígena. No seu livro, Loeb argumenta que a forma incomum e alongada do objeto (diferente de qualquer cometa conhecido), brilho extremo e aparente aceleração em relação ao sol sugerem que ‘Oumuamua não é de origem natural, mas um pedaço de tecnologia alienígena – possivelmente ejetado no nosso sistema solar acidentalmente.

“Uma bóia. Uma grade de cápsulas para comunicação… Tecnologia extinta de outros organismos vivos inteligentes ou lixo tecnológico descartado”, escreveu Loeb. “Todas estas são explicações plausíveis para o mistério de ‘Oumuamua – plausível porque aqui na Terra, a humanidade já está a fazer essas coisas, embora numa escala muito mais limitada”. (A maioria dos astrónomos que estudaram o objeto favorecem explicações naturais, chamando-o de “coelho de poeira” cósmico ou apenas um cometa realmente estranho).

6. Milhares de mundos alienígenas poderão ter visto os Humanos crescerem.

(Crédito: Getty / Nuttawut Uttamaharad / EyeEm)

Embora os esforços da Humanidade para encontrar civilizações alienígenas entre as estrelas tenham começado apenas no último século, mais de 1.700 civilizações alienígenas poderiam estar a observar-nos há milhares de anos. De acordo com um estudo publicado em junho na revista Nature, 1.715 sistemas estelares próximos tiveram um ângulo de visão perfeito da Terra nos últimos 5.000 anos – e mais de 1.400 deles ainda têm uma visão clara hoje.

Todas essas estrelas ficam a cerca de 300 anos-luz do nosso planeta, e 75 delas orbitam a menos de 100 anos-luz de distância. Dado que os Humanos estão a transmitir sinais de rádio há cerca de 100 anos, qualquer um desses 75 sistemas estelares está próximo o suficiente para que “nossas ondas de rádio já os tenham invadido”, disse a principal autora do estudo, Lisa Kaltenegger, professora associada de astronomia e diretora do Instituto. Carl Sagan Institute da Cornell University, disse à Live Science na época. Se quaisquer hipotéticas Civilizações que vivem nesses sistemas estelares querem ou não se comunicar conosco é outra questão.

7. Não há uma “melhor” maneira de comunicar-mos com alienígenas.

(Crédito: Getty)

Se os alienígenas estão a observar-nos de relativamente perto, qual é a melhor maneira de lhes dizer onde moramos? A escritora da Live Science, Joanna Thompson, investigou essa questão em dezembro, descobrindo que nenhum método é perfeito. Por um lado, as ondas de rádio são uma maneira tentadora de se comunicar com extraterrestres porque esses sinais encaixam-se numa lacuna conveniente no espectro eletromagnético chamada de “furo de água” – uma frequência entre 1420 e 1720 megahertz que é relativamente livre de ruído de fundo cósmico.

Por outro lado, as ondas de rádio se alargam à medida que viajam, o que significa que qualquer mensagem que enviarmos ficará mais diluída quanto mais longe da Terra estiver. A luz do laser não tem esse problema – no entanto, os sinais de laser exigem uma precisão incrível e é improvável que atinjam qualquer observador alienígena, a menos que direcionemos a nossa mensagem diretamente para o seu sistema estelar. Ambos os métodos têm suas vantagens – e nenhum deles é perfeito.

8. Nossa própria tecnologia pode estar a atrapalhar.

(Crédito: ESO/M. Kornmesser)

A 29 de abril de 2019, os astrónomos detectaram um sinal irradiando em direção à Terra, ao que parecia, de Proxima Centauri – o sistema estelar mais próximo do nosso Sol e lar de pelo menos um planeta potencialmente habitável. Como o sinal caiu numa faixa estreita de ondas de rádio que raramente são feitas por naves ou satélites humanos, os pesquisadores o interpretaram como um possível sinal de tecnologia alienígena. Mas o sinal nunca se repetiu – e um estudo publicado em outubro na revista Nature Astronomy explica o porquê: O sinal estava realmente a vir de um computador ou dispositivo celular com defeitom localizado perto do telescópio que o detectou.

No novo estudo, os pesquisadores examinaram os dados de 2019 novamente e encontraram vários sinais “semelhantes” que pareciam ser componentes que faltavam da chamada transmissão alienígena; Juntos, esses sinais se encaixam numa faixa de frequências “consistente com as frequências comuns do oscilador de relógio usadas na eletrônica digital”, escreveram os pesquisadores. Em outras palavras, essa mensagem alienígena parece ter sido um computador Humano avariado – mas estudá-la e identificá-la ainda dá aos cientistas uma experiência valiosa em como separar os sinais reais do espaço profundo do ruído terrestre.

9. “Abduções” alienígenas podem ser sonhos lúcidos.

(Crédito: David Wall/Getty Images)

Sonhos lúcidos, nos quais as pessoas estão parcialmente conscientes e podem controlar os seus sonhos durante o sono, podem explicar as chamadas histórias de abduções alienígenas, sugere um estudo de julho. Reivindicações de tais abduções datam do século 19; as circunstâncias dos sequestros muitas vezes soam como um sonho e desencadeiam sentimentos de terror e paralisia. Certos estados de sonho também são conhecidos por produzir tais sentimentos, então pesquisadores russos perguntaram-se se as experiências em sonhos poderiam fornecer pistas sobre supostas experiências extraterrestres.

Os cientistas levaram 152 sonhadores lúcidos a sonhar com encontros com alienígenas ou OVNIs, e descobriram que vários deles relataram sonhos que se assemelhavam a descrições reais de supostas abduções alienígenas. Daqueles que descreveram os seus encontros de sonho como “realistas”, 24% também experimentaram paralisia do sono e medo intenso. Tais emoções geralmente acompanham relatos de supostas abduções alienígenas e, embora os indivíduos que descrevem ter sido sequestrados por alienígenas possam realmente acreditar que o que experimentaram foi real, essas pessoas provavelmente estavam a experimentar um encontro extraterrestre durante um sonho lúcido, relataram os autores do estudo.

Publicado originalmente no Live Science.

Autor:   28/12/2021

Fonte

(Lida 1 vezes, 1 visitas hoje)
0
0