Este Antigo selo cilindrico Sumério é suposto representar 12 planetas no nosso Sistema Solar



Há um antigo selo cilindrico Sumério, que se acredita ter cerca de 4.500 anos de idade que curiosamente parece representar o nosso Sol com 12 planetas dentro do nosso Sistema Solar, um deles supostamente sendo Nibiru, o planeta evasivo escondido em algum lugar nas bordas exteriores do Sistema Solar .

Um dos selos mais controversos já descobertos e discutidos entre os estudiosos é apelidado de VA / 243 e parece retratar (de acordo com muitos) 12 planetas no nosso Sistema Solar com o Sol no centro.

O selo que remonta (pelo menos) ao terceiro milênio a.C. pode ser visto no Museu do Estado  em Berlim Oriental e está catalogado como VA / 243.

De acordo com vários pesquisadores, esta antigo selo acádio cilíndrico é um dos selos cilíndricos mais antigos já descobertos e também parece ser um dos mais misteriosos.

O motivo? Bem, supostamente retrata toda a família do nosso Sistema Solar e um planeta errante identificado por autores como Sitchin como o Planeta X ou Nibiru, planeta natal dos antigos Anunnaki.

Zecharia Sitchin discute o selo cilíndrico com grande detalhe no seu livro “O 12º Planeta”.

De acordo com Sitchin, o selo cilíndrico, sem dúvida, representa o nosso sistema solar, com os seus numerosos corpos celestes e seu tamanho relativo.

Há nove planetas que conhecemos hoje, se ainda continuarem a achar que Plutão deveria ser um Planeta e não um Planeta Anão, a nossa Lua, o Sol e um Planeta errante normalmente referido como Nibiru.

Esta interpretação por Sitchin levou a um grande número de críticas, e como Michael S. Heiser indica, o símbolo representado no selo do cilindro Va / 234 não é o Sol, mas uma Estrela.

De acordo com Heiser, os supostos Planetas identificados por Sitchin não são Planetas, mas outras Estrelas.

Heiser alega ainda que não há nenhuma evidência que nos leve a sugerir que os Sumérios tinham conhecimento de mais de cinco Planetas no sistema solar exterior.



Heiser indica três coisas principais em seu estudo:

1) A inscrição no selo não diz nada sobre Astronomia, Nibiru, ou Planetas.

2) O suposto símbolo “Sol” no selo não é o Sol. Sabemos disso com certeza, porque não está em conformidade com a consistente representação/simbologia do Sol em centenas de outros selos cilíndricos, monumentos e obras de arte do Verão, mesopotâmica.

3) Não há um único texto em qualquer adoração do Verão-mesopotâmica existente que diz os Sumérios ou Mesopotanios tivessem conhecimento de mais de cinco planetas. Há uma série de tabletes cuneiformes que lidam com Astronomia, todas as quais foram compiladas e publicadas. Estas fontes estão acessíveis ao leitor, mas em diferentes níveis de dificuldade.

Agora, isso me fez pensar em ambos os lados da história, o que Sitchin oferece como uma explicação e o que um erudito como Michael S. Heiser tem a dizer.

Primeiro de tudo, eu não estou a dizer que acredito que qualquer um deles está correto nas suas interpretações, estou apenas a formar a minha própria pequena opinião.

As curiosas representações no selo cilíndrico Sumério são fascinantes. Acho extremamente interessante que o criador do selo tenha decidido colocar uma enorme Estrela (que se assemelha ao Sol) no centro, cercada por outros corpos celestes.

Embora Heiser argumente que a Estrela no meio, em vez de ser a nossa Estrela, seja outra Estrela, eu pergunto-me porque razão o criador do selo não retratou as outras Estrelas (de acordo com Heiser), assim como ele retratou aquela no meio?

Além disso, pergunto-me também porque é que o tamanho da Estrela no meio é representado como um corpo maior em comparação com os outros corpos celestes. 

E mais, se todos os corpos celestes são Estrelas como Heiser indica, então porque é que aquele no meio é representado de maneira diferente com características misteriosamente reminiscentes de raios a sair dele?

São essas características apenas mais uma coincidência?

Ou é possível que não estejamos a ver alguma coisa nesta história?

No entanto, se os misteriosos objetos representados no selo do cilindro são de fato Planetas, como é possível que os antigos Sumérios soubessem a composição do nosso Sistema Solar completo no 3º milénio a.C.?

Não só isso, mas como é que eles sabiam o seu tamanho aproximado?

Isto leva a outras perguntas como … de onde é que os Sumérios obtiveram esse conhecimento?

Será que eles conseguiram desenvolvê-lo de forma independente?

Ou é possível que, como muitas culturas antigas sugerem, que alguns dos conhecimentos que adquiriram foram passado por “deuses” que desceram dos céus e trouxeram vasto conhecimento ao Homem?

Será que este antigo Selo Cilíndrico Sumério realmente retrata o Sistema Solar com todos os seus Planetas, incluindo Nibiru tal como Sitchin indica?

Ou é possível que autores como Michael S. Heiser estejam corretos e que o selo cilíndrico não tem qualquer valor astronómico e não descreve o nosso Sistema Solar, Planetas, a Lua, nem o Sol?

Há outras questões que devem ser levantadas quando se olha para o selo cilíndrico. Por exemplo, será que um selo seria o meio mais “adequado” para alguém (à 4,5000 anos) tentar transmitir esse importante conhecimento astronómico?

O que é que vocês acham?

Source:

http://www.sitchin.com/teapot.htm

http://www.michaelsheiser.com/va_243%20page.htm

 

By: Ivan Petricevic

In: Ancient Code

Crédito Imagem: Ancient Code



 

Please Enter Your Facebook App ID. Required for FB Comments. Click here for FB Comments Settings page

(Lida 408 vezes, 2 visitas hoje)
0
0
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE